domingo, 20 de agosto de 2017

Uma Grande Guerra Civil

A guerra então foi amplamente proclamada; o efeito dessas cartas lançadas em um reino já dividido e entre um povo já descontente e acostumado à rebelião foi imensa. Tanto a Igreja quanto o Estado estavam rasgados em pedaços, alguns tomando o partido do rei, e outros do pontífice. Irrompeu-se uma guerra civil que durou 17 anos por todo o império romano; bispo contra bispo, o povo contra o povo, "enquanto", disse alguém, "a terra bebia do sangue que era derramado, e o túmulo se fechava do mesmo modo sobre aqueles que sofriam e aqueles que infligiam a miséria". Toda a Alemanha estava em um estado de loucura, dissensão e prostração.

Os duques da Suábia, tomando vantagem do sentimento geral contra Henrique, e encorajados pelos legados do papa, levantaram-se contra o soberano a quem tinham jurado fidelidade, e elegeram Adolfo como rei. No meio tempo, o próprio Hildebrando não negligenciou nenhum de seus próprios meios de guerra, uma guerra na qual ele era profundamente experiente. Grandes palavras inchadas do mais terrível significado eram suas armas. O "nome de Deus; a paz de Deus; as ordens de Deus; a salvação de Deus; as chaves do bendito Pedro; fechar as portas do céu; abrir as portas do inferno; perdição eterna", etc., eram palavras que incutiam terror em cada mente humana, e eram as algemas com os quais ele prendia seus escravos.

À medida que essa grande luta continuava, o papa ganhava força, e Henrique a perdia e sentia que estava diminuindo rapidamente. Seu coração afundou dentro dele: tudo parecia ter explodido pela maldição de São Pedro; os príncipes se revoltaram; os clérigos e o povo renunciaram à sua fidelidade, e conspirações se ergueram por todos os lados. Tal era a influência maligna do papa, que agora pisava em frente na panóplia [armadura medieval] completa do poder eclesiástico -- ou melhor, diabólico -- para pisotear no pó seu próprio senhor soberano. Sob todas essas circunstâncias deprimentes e esmagadoras, Henrique entrou em acordo com os príncipes rebeldes de que as reivindicações e erros de ambos os partidos fossem submetidas ao papa, que foi convidado a presidir em um concílio que ocorreria em Augsburgo para esse propósito.

O Imperador Deposto pelo Papa

Na assembleia Gregório falou da seguinte maneira: "Agora, portanto, irmãos, convém que saquemos a espada da vingança; devemos agora ferir o inimigo de Deus e de Sua igreja; agora pois sua cabeça ferida, que se levanta em sua soberba contra os fundamentos da fé e de todas as igrejas, caia por terra, ali, de acordo com a sentença pronunciada contra seu orgulho, que caia sobre a sua barriga e coma o pó. Não tema, pequeno rebanho, disse o Senhor, pois é a vontade do Pai conceder-lhes o reino. Por muito tempo já o suportamos; muitas vezes o admoestamos: deixemos que sua consciência sinta os efeitos!" Todo o sínodo respondeu a uma voz: "Que tua sabedoria, santíssimo padre, que a misericórdia divina levantou para governar o mundo em nossos dias, pronuncie tal sentença contra o blasfemador, esse usurpador, esse tirano, esse apóstata, que possa esmagá-lo contra a terra, e torná-lo um aviso para as eras futuras... Retire a espada, passe o juízo, e que o justo possa se regozijar quando ver a vingança, e lave suas mãos no sangue dos ímpios."

Seguiu-se a sentença formal: o audacioso padre, da maneira mais blasfema, identifica-se com a majestade divina, e pronuncia a linguagem mais solene na mais suja hipocrisia. Após afirmar, com uma língua mentirosa, que ele tinha sido relutantemente obrigado a ascender ao trono pontifício, ele diz: "Em plena confiança na autoridade sobre todo o povo cristão concedido por Deus à delegação de São Pedro, pela honra e defesa da igreja, no nome do Deus Todo-Poderoso, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, e pelo poder e autoridade de São Pedro, eu interdito o rei Henrique, filho de Henrique, o Imperador, que, em seu orgulho sem igual ergueu-se contra a igreja, do governo de todo o reino da Alemanha e Itália. Eu absolvo todos os cristãos dos juramentos que juraram a ele, e proíbo toda a obediência a ele como rei... Pois ele manteve comunhão com os excomungados, e desprezou as admoestações que, como sabes, dei-lhe para sua salvação... Eu prendo-o, portanto, em teu nome, nos laços de sua anátema, para que todas as nações saibam e possam reconhecer que tu és Pedro, e que sobre ti, como sobre uma rocha, o Filho de Deus edificou Sua igreja, e que as portas do inferno não prevalecerão contra ela."

Antes que o sínodo fosse suspendido, Gregório dirigiu cartas a "todos os cristãos", contendo cópias das atas do concílio, e ordenando a todos os homens que desejavam ser contados entre o rebanho do bendito Pedro, a aceitar e obedecer às ordens ali contidas -- mais especialmente aqueles que estavam relacionadas à deposição e anátema contra o rei, seus "falsos bispos e ministros reprovados". E após exortar o povo a resistir a Henrique até o sangue, o padre mentiroso ousou pronunciar: "Deus é aqui nossa testemunha de que não somos movidos por qualquer desejo de vantagem secular ou por respeitos carnais de qualquer tipo, ao reprovarmos príncipes perversos ou padres ímpios; mas que tudo o que fazemos é feito por puro respeito ao nosso alto cargo, e pela honra e prerrogativa da Sé apostólica," etc.

Gregório e Henrique IV

O olho perspicaz do vigilante pontífice tinha, por muito tempo, observado o espírito e os movimentos de toda a Cristandade. Ele era bem familiarizado com a vida moral e política e a força e as fraquezas de todas as nações. Ele pode ser visto na guerra espiritual ao lado dos fortes e dobrando toda a sua força contra os fracos. Ele fala com desdém do fraco rei da França, e reivindica o tributo como um direito antigo. Carlos Magno, dizia ele, foi o colecionador de papas, e concedeu a Saxônia ao apóstolo. Mas para o temido Guilherme da Inglaterra e Normandia sua linguagem é cortesã. O altivo normando manteve sua independência teutônica, criou bispos e abades ao seu bel-prazer, foi senhor absoluto sobre seus eclesiásticos assim como sobre seus senhores feudais.*

{*Cristianismo Latino, de Milman, vol. 3, p. 121.}

Na Espanha e nações do norte, Gregório foi mais suntuoso e bem-sucedido, mas foi contra o império que ele concentrou todas as suas forças, e resolveu medir a força do papado com todo o poder de Henrique. Se ele pudesse humilhar o maior e mais orgulhoso dos monarcas -- o sucessor dos Césares -- a vitória viria sobre todos os outros soberanos.

A juventude e inexperiência de Henrique, as desmoralizantes tendências de sua educação, a revolta dos príncipes germânicos, e os problemas que muitas vezes afligem um país durante uma minoria, encorajou o ousado sacerdote em seus projetos. As decisões do concílio, ocorrido em 1074, contra o pecado universal da simonia e do casamento do clero, foram devidamente comunicadas ao imperador. O astuto papa abraçou a oportunidade de assumir a maior amizade para com Henrique. Ele o admoestou como um pai a retornar ao seio de sua mãe, a santa igreja romana, para governar o império de uma maneira mais digna, para se abster de apresentações simoníacas de benefícios, e para render a devida lealdade ao seu superior espiritual.

O imperador recebeu o legado do papa com cortesia, elogiou seu zelo pela reforma da igreja, e estava completamente mais submisso em seu tom. Mas Gregório não ficou satisfeito com o louvor e o arrependimento aparente. Ele agora desejava permissão, como o árbitro supremo dos assuntos da Alemanha, para convocar concílios ali, pelos quais aqueles acusados de simonia pudessem ser condenados e depostos. Mas nem Henrique nem os bispos concederiam licença aos legados do papa para reunir um concílio na Alemanha para tal propósito. O clero temia sua severa inquisição sobre seus títulos, e o imperador temia que seu próprio patrocínio fosse reduzido. Mas o zelo impaciente do ambicioso padre não toleraria atrasos nem se submeteria a qualquer oposição.

No ano seguinte (1075), ele convocou um segundo concílio em Roma, e procedeu às medidas que ele tinha pretendido cumprir pelos sínodos na Alemanha. À frente de seu clero romano, com homens que se comprometeram a sua causa por interesse e orgulho, ele determinou-se, acima de qualquer risco, a atacar a raiz de todos os abusos compreendidos sob o odioso nome da simonia. Nessa ocasião ele excomungou alguns dos favoritos de Henrique; ele depôs o arcebispo de Bremen e os bispos de Estrasburgo, Espira e Bamberga, além de alguns bispos lombardos, e cinco da corte imperial, cuja assistência o imperador tinha usado na venda de benefícios. Ele também decretou que "qualquer que conferisse um bispado ou abadia, ou que recebesse uma investidura das mãos de qualquer leigo, deveria ser excomungado". Henrique novamente professou uma medida de penitência, reconheceu a existência da simonia, e suas intenções futuras para desencorajar a prática, mas que ele próprio não pudesse por quaisquer meios ser induzido a desistir do poder de nomear bispos e abades, e da investidura tão intimamente conectada com esse poder. Gregório, por outro lado, exasperado pela desobediência do rei, e por nomear a Sé de Milão e outros bispados sem aguardar a decisão da Sé apostólica, enviou-lhe a mais autoritária convocação para comparecer a Roma, para responder por todas as suas ofensas diante do tribunal do papa, e diante de um sínodo de eclesiásticos; se ele se recusasse ou demorasse, deveria imediatamente sofrer a sentença da excomunhão. O dia 22 de fevereiro foi o dia indicado para seu comparecimento.

"Assim o rei", diz Milman, "o vitorioso rei dos alemães, foi solenemente citado como um criminoso, para responder a acusações indefinidas, para ser passível de leis que o juiz assumiu o direito de decretar, interpretar e impor. Todos os assuntos do império deveriam ser suspendidos enquanto o rei estivesse diante da barreira de seu imperioso árbitro; nenhum atraso era permitido; a alternativa severa e imutável era a humilde e instantânea obediência ou a sentença que envolvia a deposição do império e a perdição eterna".

O imperador, que era um príncipe exultante e de um temperamento ardente, ficando extremamente indignado com esse mandado, tratou-o como um insulto atrevido e imediatamente convocou uma convenção de bispos alemães em Worms. Seu objetivo era depor o papa que tinha assim declarado guerra, até a morte, contra ele. Esses clérigos, depois de passarem por muitas censuras sob a conduta de Hildebrando [Gregório], o pronunciaram como indigno de sua posição, o depuseram e marcaram uma reunião para a eleição de um novo pontífice. Gregório, ao receber a sentença pelos mensageiros e cartas do rei, não ficou menos perturbado por denúncias tão vazias. Em uma assembleia cheia, com 110 bispos, ele suspendeu os eclesiásticos que tinham votado contra ele. Ele então pronunciou a excomunhão do imperador, declarando "que ele perdeu os reinos da Alemanha e da Itália, e que seus súditos estavam absolvidos de seu juramento de fidelidade".

sábado, 29 de julho de 2017

Gregório e as Investiduras (1075 d.C.)

O empossamento formal de um bispo ou abade pela entrega de um anel e um báculo tinha sido algo habitual junto aos imperadores, reis e príncipes da Europa, muito antes do estabelecimento do sistema feudal por Carlos Magno -- provavelmente desde os tempos de Clóvis. E até então, se tivermos em mente a relação da igreja com o Estado, e a fonte original do privilégio, parece justo e certo, embora para uma mente espiritual ser uma combinação incompatível dos poderes seculares e espirituais, e ruinosa para ambos. "Quando os primeiros conquistadores do Ocidente", diz Waddington, "conferiram subsídios territoriais à igreja, os indivíduos que viriam a usufruir deles eram obrigados a apresentar-se à corte para jurar lealdade ao rei, e para receber de suas mãos algum símbolo de prova de que os bens foram colocados em sua posse. A mesma cerimônia, de fato, era imposta ao eclesiástico do mesmo modo que ao proprietário leigo ou senhor feudal, e era chamada de investidura. Mais tarde, quando os príncipes tomaram o direito de oferta referente a todos os benefícios valiosos, mesmo daqueles que não tinham sido derivados da recompensa real, eles não introduziam qualquer distinção, fundamentados nas diferentes fontes de receita, mas continuaram a sujeitar aqueles que eles nominavam ao mesmo grau de fidelidade, e à mesma cerimônia de investidura, com os leigos."*

{* History of the Church, Waddington, vol. 2, p. 70.}


No primeiro fervor da conversão, os conquistadores, desde Constantino, tinham o hábito de conceder uma parte de suas recém-adquiridas propriedades a monastérios e igrejas; mas os presentes das sucessivas dinastias eram moderados se comparados aos da casa imperial da Saxônia. Sob os imperadores alemães os bens igreja se acumularam rapidamente e em grande medida. "Nos séculos XI e XII", diz Greenwood, "as propriedades eram possuídas perpetuamente pelas igrejas em grande extensão. Os bispos e abades foram enriquecidos; não, como até então, por presentes de terrenos ou fazendas únicas, mas por concessões de cidades inteiras, e de distritos e condados. Assim Oto I doou ao monastério de Magdeburgo várias vilas com seus arredores e distritos rurais pertencentes a elas. Oto II concedeu três vilas pertencentes aos domínios imperiais à igreja de Aschafemburgo, com todas as terras que lhe pertenciam. Os termos da transmissão não parecem ter diferido totalmente dos utilizados em concessões seculares de natureza similar. E, na prática, não obstante o caráter e a ocupação diferente dos beneficiários, as mesmas ideias de natureza e de requisitos da concessão parecem ter sido entretidas tanto pelos vassalos espirituais quanto leigos. Assim bispos e abades vestiam a armadura, montavam seus carregadores, e marchavam para o campo de batalha, liderando seus subvassalos e arrendatários, no cumprimento de seus deveres feudais no que diz respeito às suas terras. Os subvassalos também não podiam ser facilmente movidos até que fossem conduzidos à ação por seus chefes legais.

"Os grandes eclesiásticos, longe de se oporem a essas exigências pouco profissionais, entraram de coração no esporte da guerra, e deram-se no campo de batalha com um grau de proeza marcial que poderia se tornar mais brava que a cavalaria leiga."*

{ Cathedra Petri, Greenwood, vol. 4, p. 274.}


Tal era o estado do que pode ser chamado de eleitorado cristão quando Hildebrando emitiu seu memorável decreto contra investiduras leigas; e tal era o direito de uso por parte da coroa de nominar e indicar às maiores dignidades e benefícios eclesiásticos. O plano de Hildebrando era abolir inteiramente até mesmo a mais remota reivindicação de interferência, seja a favor ou contra, por parte dos leigos, em indicações espirituais, e privar o soberano do direito de investidura, com a qual a lei e o costume de séculos o tinha armado, e que ele considerava como a mais preciosa prerrogativa de sua coroa. Essa foi a questão levantada, o prêmio em questão e a grande batalha a ser lutada entre os potentados da Europa e o monge do Vaticano. Gregório então se dirigia à disputa, a maior já travada por uma única pessoa em qualquer era.

domingo, 9 de julho de 2017

O Surgimento e o Progresso da Simonia

Enquanto a igreja era pobre, perseguida e desprezada pelo mundo, não havia compradores de benefícios. Quando um homem perdia seu status mundano ao se tornar um cristão, e expunha-se à prisão e morte, qualquer tráfico de preferências eclesiásticas era desconhecido. Mas após a união da igreja com o Estado, e quando a riqueza do mundo começou a fluir para os cofres da igreja, houve uma grande tentação para entrar na ordem sagrada pelos privilégios e imunidades que isto assegurava. A simonia tornou-se, então, a inevitável consequência do rico dote das maiores Sés.

Nos primeiros dias do episcopado o bispo era eleito pelo clero e pelo povo de sua diocese, mas no decorrer do tempo as eleições episcopais tornaram-se tão importantes que os senhores leigos, e até mesmo os soberanos, eram tentados a interferir, e a finalmente estabelecer e reivindicar o privilégio da nomeação. O próprio Carlos Magno deu o exemplo ao empurrar seus filhos naturais às mais elevadas dignidades eclesiásticas. O privilégio assim usurpado era logo abusado. Os mais importantes cargos e ofícios, ou eram concedidos aos favoritos, ou publicamente vendidos ao melhor postor, sem consideração pelos interesses da religião, santidade de caráter, ou mesmo qualificações literárias.

A prática universal do feudalismo de dar presentes ao soberano, ou ao senhor vassalo, em todo ato de promoção, era seguida pelos eclesiásticos. Quando um bispo ou abade morria, era comum, em primeiro lugar, comunicar a vacância à corte, e então o anel ou o báculo do prelado ou abade falecido era colocado nas mãos de um superior temporário. O próximo bispo ou abade indicado era obrigado pelo costume geral a apresentar um presente ou reconhecimento; isso necessariamente levava a uma transação que assumia o caráter de uma barganha e venda. O presente ou oferta, que no início era aceito como honorário e voluntário, foi com o tempo exigido como um preço com ganância sem escrúpulos. A isso estava conectada a famosa questão da investidura. O anel, o símbolo de seu casamento com sua diocese; o báculo, o cetro de seu domínio espiritual. Esta investidura transmitia o direito às posses ou dotes seculares do benefício. Isso não presumia consagrar, mas permitia à pessoa consagrada executar seu ofício em uma certa esfera determinada, e sob a proteção e garantia do poder civil.

Muitas das Sés eram dotadas com direitos e royalties soberanos dentro de suas respectivas províncias. Bispados e abadias tinham crescido em principados e governos, e a esses príncipes eclesiásticos a maior parte dos ofícios e concílios do Estado tinham sido confiados. No sistema feudal, bispos tinham se tornado, em todos os aspectos, em posição igual aos dos nobres seculares. "Em toda cidade", diz Milman, "o bispo, se não o primeiro dos homens, estava no mesmo nível que o primeiro; além da cidade ele era senhor dos mais amplos domínios. Arcebispos quase se igualavam a reis; pois quem não teria cobiçado a classe e autoridade de um Hincmar, arcebispo de Reims, em vez do fraco monarca carlovíngio?"*

{*Cristianismo Latino, vol. 3, p. 105.}

Mas o clero superior não ficava em nenhum aspecto atrás dos leigos na prática corrupta da venda de ofícios espirituais sob seu patrocínio. Bispos e abades vendiam suas igrejas {*N. do T.: templo}, sem vergonha ou remorso, para que pudessem pagar suas despesas. Aquilo que tinha sido obtido por meios indignos era empregado para fins indignos. Tal era o terrível estado de coisas tanto na igreja quanto no Estado, e tal eram os motivos desprezíveis dos homens para entrar para as ordens sagradas, até que Hildebrando emitiu seu famoso decreto contra todas as práticas simoníacas, e contra todo o direito de investidura concedido por algum soberano secular, príncipe, nobre ou qualquer leigo.

sábado, 8 de julho de 2017

A Heresia Simoníaca

No século XI conta-se que o sistema feudal atingiu sua maturidade, e o pecado da simonia -- ou a venda de benefícios eclesiásticos -- atingiu o ápice de sua impiedade. Nesse período a história nos informa que, desde o papado até a menor cura paroquial, toda dignidade espiritual tinha seu preço em dinheiro  e tornou-se um objeto de troca ou venda. Mesmo o bispado de Roma era tão notoriamente comprado e vendido nessa mesma época que houve três papas simultâneos: Bento IX, que ficava em Latrão; Silvestre III, que tinha o Vaticano; e Gregório VI, que tinha Santa Maria. Mas as discussões eram tão vergonhosas, e tão feroz era a guerra entre os papas e seus amigos, que os italianos imploraram para que o imperador Henrique III fosse a Roma e examinasse as reivindicações conflitantes dos três pontífices. Um concílio ocorreu em Sutri, por volta do ano 1044, quando as imoralidades mais inéditas e a mais flagrante simonia foram provadas contra os papas diante de Henrique. Qual dos três a alta igreja considerava, então, o legítimo sucessor de São Pedro, isso não sabemos; mas não pode haver dúvida de que eles eram todos descendentes lineares de Simão, o Mago, que pensava que o dom de Deus podia ser comprado com dinheiro. Poucos, muito poucos, eram os verdadeiros descendentes de Simão Pedro, que deixou tudo o que tinha e seguiu a Jesus.

O mal se espalhou e toda a ordem clerical foi afetada, se não corrompida, pelo pecado prevalecente. Quando o bispo descobria que tinha gasto demais com sua Sé, ele naturalmente aumentava o preço das posições inferiores para indenizar a si mesmo. Assim os grandes prelados da igreja estavam envolvidos no mais degradante tráfico e especulações secularizantes. Nada podia ser mais baixo, e isso abriu a porta da igreja para os piores dos homens. Leigos, sem educação ou religião; bárbaros, sem civilização, compravam ordens sagradas, e forçavam sua entrada nas sagradas fileiras do sacerdócio, e é claro, traziam com eles a pior impiedade do mundo, e as maiores enormidades dos pagãos. A simonia tornou-se, assim, o pecado abrangente desse período, e cada vício surgiu naturalmente dele. Nos esforçaremos agora em verificar sua origem.

O Celibato e a Simonia

A promulgação desse decreto produziu, bem como concebeu, a maior agitação e angústia possíveis por toda a extensão da Cristandade. Até esse tempo, certo ou errado, o casamento tinha sido a regra, e o celibato a exceção. E a injustiça do decreto o tornou intolerável, pois o fez cair severamente da posição mais virtuosa para a mais viciosa e estigmatizou a todos como culpados de concubinato. Deixaremos que o leitor imagine o efeito de tal decreto em milhares e dezenas de milhares de famílias felizes. Os detalhes encheriam volumes. O decreto dissolveu os mais honráveis casamentos, rasgou o que Deus tinha unido, espalhou maridos, esposas e filhos, deu origem às mais lamentáveis discussões, e espalhou por todo lugar as piores calamidades. Esposas, especialmente, foram levadas ao desespero e expostas às mais amargas tristezas e vergonhas. Mas quanto mais veemente a oposição, mas altas as anátemas contra qualquer atraso na execução plenária dos comandos do pontífice. Os desobedientes eram entregues aos magistrados civis para serem perseguidos, privados de suas propriedades, e sujeitos a indignidades e sofrimentos de vários tipos. Parte de uma das cartas do papa fala sobre esse ponto: "Aquele cuja carne e sangue mover-se à dúvida ou ao atraso é carnal; este já está condenado; este não tem parte na obra do Senhor; este é um ramo podre, um cão estúpido, um membro cancroso, um servo infiel, um servo do tempo, e um hipócrita."

Mas como nenhum dos soberanos da Europa estavam dispostos a lutar pelas esposas do clero, o papa logo tinha todo o assunto sob seu controle, e muitos dos padres não lamentaram ser libertados das obrigações de seus maus caminhos.

Simonia*. O conflito decorrente da lei gêmea para a supressão da simonia era mais difícil de lidar; e, tendo sido prolongada por muitos anos, envolvia tanto a igreja quanto o Estado em muitas e grandes calamidades.

{*simonia: compra ou venda ilícita de coisas espirituais (como indulgências e sacramentos) ou temporais ligadas às espirituais (como os benefícios eclesiásticos). }

domingo, 2 de julho de 2017

Gregório VII e sua Reforma

Por volta do fim do primeiro ano oficial de Gregório como papa (março de 1074), ele reuniu um numeroso concílio em Roma, com o propósito de declarar guerra contra os dois grandes vícios do clero europeu, e os dois grandes obstáculos para seu esquema teocrático -- o concubinato e a simonia, isto é: o casamento de sacerdotes e a venda de benefícios. Muitos que eram favoráveis à reforma achavam o decreto quanto ao celibato não apenas severo, como também injusto, porque se aplicava igualmente aos mais honráveis casamentos e aos de maior desprezo. Foi resolvido no concílio, sem oposição: primeiro, que os padres não deveriam se casar; segundo, que aqueles que estavam casados deveriam deixar suas esposas ou renunciar ao sacerdócio; terceiro, que no futuro ninguém que não professasse continência inviolável deveria ser admitido às ordens sagradas.

Muitos dos primeiros pais se esforçaram para estabelecer a conexão entre o celibato e a santidade, e a persuadir os homens que aqueles que se casaram com a igreja deveriam evitar a contaminação de uma união terrena. Muitos dos papas também defenderam o celibato; mas, a não ser sob a mais severa disciplina pessoal ou nas comunidades monásticas mais estritas, o celibato era pouco observado e provavelmente nunca tenha sido forçado além das fronteiras da Itália. Mas Gregório fez sua voz ser ouvida e temida quanto a esse assunto, desde o Vaticano até os limites mais longínquos da Cristandade latina. Ele escreveu cartas a todos os arcebispos e bispos, aos príncipes, potentados e oficiais leigos de todos os níveis, sob pena de incorrerem em severa punição ou perdição eterna, para que expulsassem e depusessem, sem misericórdia, todos os padres e diáconos casados, e a recusar seus contaminantes ministérios. Esses despachos estavam cheios de anátemas (maldições) contra todos os que resistissem aos seus decretos; e, assumindo o lugar de Deus, ele diz: "Como obterão perdão por seus pecados aqueles que desprezam aquele que abre e fecha as portas do céu a quem ele se agrada? Que todos se cuidem de não invocarem a ira divina sobre suas próprias cabeças,... como eles incorrem na maldição apostólica, em vez de ganharem essa graça e bênção tão abundantemente derramada sobre eles pelo bendito Pedro! Que fiquem bem certos que nem príncipe nem clérigo escapará da condenação do pecador em deixar de expelir, com rigor inexorável, todos os padres simoníacos e casados, e todos os que ouvirem ao chamado da simpatia ou afeição carnal, ou por qualquer motivo mundano reterem a espada de derramar sangue pela causa de Deus e de Sua igreja, ou permanecerão distantes enquanto essas heresias condenadoras estiverem roendo os sinais vitais da religião,... estes devem ser considerados indiscriminadamente como cúmplices dos hereges, como falsificações e fraudes."*

{* Greenwood, Cathedra Petri, vol. 4, p. 331.}

Os "Ditados de Gregório"

As seguintes citações são atribuídas como sendo algumas das máximas de Gregório VII; elas darão ao leitor uma ideia do homem e do espírito do papado. "Está estabelecido que o pontífice romano é o bispo universal, que seu nome é o único desse tipo no mundo. A ele somente pertence o direito da deposição e reconciliação de bispos; e ele pode depô-los em sua ausência, e sem a ocorrência de um sínodo. Somente a ele é permitido enquadrar novas leis para a igreja -- e dividir ou unir bispados. Ele somente pode usar as insígnias do império; todos os príncipes são obrigados a beijar seu pé, e ele tem o direito de depôr imperadores e de absolver súditos com base em sua fidelidade. Ele mantém em suas mãos a mediação suprema em questões de guerra e paz, e só ele pode jugar as sucessões contestadas aos reinos -- pois todos os reinos são mantidos como fiéis a São Pedro. Com sua permissão, inferiores podem acusar seus superiores. Nenhum concílio pode ser designado como geral sem seu comando. A igreja romana nunca cometeu erros e, como testificam as Escrituras, nunca errará. O papa está acima de todo o julgamento, e pelos méritos de São Pedro é sem dúvida considerado santo. A igreja não deveria ser a serva de príncipes, mas sim sua senhora; se ela recebeu de Deus o poder de ligar e desligar no céu, muito mais deve ter ela igual poder sobre as coisas terrenas."*

{* Robertson, vol. 2, p. 567.}


Mas enquanto a dominação soberana da igreja tinha há muito tempo sido o grande sonho de Hildebrando, ele viu que certas reformas eram necessárias para o cumprimento de seu objetivo; e a este ele agora dedicava-se com toda a energia e firmeza intrépida de seu caráter.

Gregório e a Independência Clerical

Ainda vai chegar o dia em que o homem, o anticristo de 2 Tessalonicenses 2, energizado e conduzido por Satanás e que "se levanta [se exalta a si mesmo] contra tudo o que se chama Deus, ou se adora", mas certamente na vida e no caráter de Gregório temos uma sombria prefiguração dessa obra-prima do inimigo. Se não fosse pela prova e ilustração das Escrituras sobre os desígnios que Hildebrando alcançou, certamente pularíamos a sua história. Nenhuma linha prateada da graça, nenhum amor humano ou divino, podem ser traçados em um único ato de sua administração pública; mas com grandes palavras inchadas da mais ousada blasfêmia, ele chama a si mesmo de sucessor de São Pedro, e seguidor de Jesus, e aquele que fala como a boca de Deus. Ao mesmo tempo, é evidente para todos que ele era a própria encarnação do orgulho, arrogância e intolerância anticristã. Sua linguagem às vezes dá a entender que ele assumia ser divino, e quase se aproximava da blasfêmia do homem do pecado.

Desde o momento em que ele entrou em Roma na companhia de Bruno até seu avanço para a cadeira pontifical -- um período de 24 anos -- ele foi o espírito dominante no Vaticano; mas ele não tinha pressa pela preferência. Com mais do que sagacidade humana ele estava estudando a condição e relações da Igreja com o Estado; ele estava adquirindo um conhecimento sobre o homem e sobre os assuntos de toda a Europa; ele estava amadurecendo um esquema elevado, porém ousado, de uma vasta autocracia espiritual na pessoa do Papa. Tudo isso se manifestou quando subiu ao trono, e assumiu em sua própria pessoa a responsabilidade do poder que ele tinha conduzido a tanto tempo, embora em uma posição inferior. Seu alegado objetivo desde o início era a absoluta liberdade e independência do clero da interferência imperial e de todos os leigos, seja para nominar ou para consagrar um eclesiástico; e, sobre a base de sua liberdade, ele ousadamente afirmou que a autoridade espiritual era mais elevada e mais legítima que a temporal [ou secular]. Essas orgulhosas pretensões levaram a igreja de Roma, na pessoa de seu pontífice, a usurpar domínios sobre o império ocidental e sobre todos os reinos da Europa -- ou melhor, do mundo inteiro. Nada melhor para confirmar essas afirmações do que os ditados citados a seguir.

domingo, 18 de junho de 2017

Extremos de Caráter

Exatamente neste ponto de nossa história encontramos, através da sutileza de Satanás, os caracteres mais extremos e opostos. O único objetivo de Hildebrando era subjugar o mundo exterior; as autoinfligidas crueldades dos outros deveriam subjugar o mundo dentro de si mesmos.

Pedro Damiano, bispo de Óstia, era severamente ascético [voltado ao monasticismo]. Ele se reclusava em roupas de saco, fazia jejuns, vigiava, orava e, tentando domar suas paixões, podia se levantar à noite, ficar por horas debaixo de uma corrente de água até que seus membros ficassem rígidos de frio, e depois passava o resto da noite visitando igrejas e recitando o Saltério*. O objetivo declarado pelo qual ele tanto trabalhava era a restauração da dignidade do sacerdócio e uma disciplina da igreja mais rigorosa. Tal é o poder delusório do inimigo dentro da igreja de Roma. 

{*Saltério: Livro dos Salmos}

Mas um monge, chamado Domínico, foi considerado o grande herói dessa guerra contra o pobre e inofensivo corpo. Satanás escondeu dessa dupla a diferença entre o corpo e as obras do corpo. Domínico usava, próximo à pele, uma apertada couraça de ferro, a qual ele nunca tirava. Seu pescoço era carregado de pesadas correntes, suas poucas roupas eram desgastadas como trapos, sua comida era das mais grosseiras, sua pele era tão escura como a de um negro pelos efeitos de sua disciplina. Seu exercício usual era recitar o Saltério duas vezes por dia, enquanto se flagelava com as duas mãos a uma frequência de mil chicotadas a cada dez salmos. Era reconhecido que 3000 chicotadas eram equivalentes a um ano de penitência; o Saltério inteiro, portanto, com esse acompanhamento, era equivalente a cinco anos. Na Quaresma, ou em ocasiões de penitência especial, a média diária subia para três saltérios; ele "facilmente" (?) passava por vinte -- equivalente a cem anos de penitência -- em seis dias. Certa vez, no início da Quaresma, ele implorou para que uma penitência de mil anos fosse-lhe imposta, e cumpriu toda ela antes da Páscoa.   

Supunha-se que essas flagelações tivessem o efeito de uma satisfação pelos pecados de outras pessoas -- obras de supererrogação*, que formavam o capital para a venda de indulgências, das quais ouviremos mais no decorrer da história. A morte misericordiosamente pôs um fim aos seus lamentáveis delírios no ano 1062.

{*Supererrogação: Demasia, excesso.}

Tomemos mais um exemplo da vida eclesiástica, uma vez que Satanás encontrou algo adequado a todos os gostos.

Os clérigos mundanos tinham o hábito de comparecer junto às tropas de soldados, com espadas e lanças. Eles se cercavam de homens armados como um general pagão. Todos os dias desfrutavam de banquetes reais e desfiles diários; a mesa cheia de iguarias; os convidados, seus voluptuosos favoritos. Crime e licenciosidade eram comuns nos palácios do clero. Tão grande era a iniquidade de Roma no século X que os historiadores, em consenso geral, colocam um véu sobre isso pelo bem de nossa humanidade comum. Será que as pessoas que corriam para Roma sabiam que, durante um período de um século e meio, por volta dessa época, eram tão terríveis as cenas do Vaticano, a ponto de "dois papas terem sido assassinados, cinco foram exilados, quatro foram depostos, e três renunciaram a sua perigosa dignidade. Alguns foram levados à cadeira pontifical pelas armas, alguns por dinheiro, e alguns receberam a tiara das mãos de cortesãs principescas... Seria herege dizer que as portas do inferno tinham prevalecido contra o trono e o centro do catolicismo; mas o próprio Barônio pode ser citado para provar que eles tinham recuado de suas articulações infernais para enviar espíritos malignos, comissionados para esvaziar sobre sua cabeça devota os frascos de amargura e ira."*

{* Sir James Stephens, Biografia Eclesiástica, vol. 1, p. 2; Milman, vol. 3, p. 103; Robertson., vol. 2, p. 515.}

Passamos agora ao objeto imediato de nossa história -- a carreira de Hildebrando como Gregório VII, de cujos lábios ouviremos um relato de papas infalíveis muito diferentes dos citados acima.

O Pontificado de Gregório VII

Capítulo 19: O Papa Gregório VII (1049 - 1085 d.C.)


Hildebrando, um nativo da Toscana, nascido na primeira parte do século XI, tinha abraçado, desde de sua infância, as mais rígidas ideias do monasticismo. Não satisfeito com o laxismo* dos monges italianos, ele cruzou os Alpes e entrou para o austero convento de Cluny, na Borgonha, então o mais importante em números, riqueza e piedade.

{*Laxismo: doutrina, tendência ou comportamento que busca suavizar ou limitar as restrições e imposições colocadas pela moral cristã.}

No ano 1049, Bruno, bispo de Toul, vestido com todo o esplendor de um pontífice eleito, e acompanhado pelo séquito*, chegou em Cluny e exigiu a hospitalidade e homenagem dos monges. Bruno era primo de Henrique III, imperador da Alemanha, e tinha sido nominado por ele para preencher o lugar vago na Sé de Roma. Hildebrando, o prior** de Cluny, logo adquiriu grande influência sobre a mente de Bruno. Ele o convenceu de que tinha tomado um passo em falso ao ter aceitado a indicação das mãos de um leigo, e sugeriu-lhe que deixasse de lado as vestimentas pontificais que ele tinha assumido prematuramente, viajasse a Roma como peregrino, e ali recebesse do clero e do povo esse ofício apostólico que nenhum leigo tinha o direito de conceder. Bruno concordou. As visões sublimes de Hildebrando sobre a dignidade eclesiástica prevaleceram sobre a mente mais genial de seu novo amigo. Ele seguiu seu conselho: tirou suas vestes e, tomando o monge como seu companheiro, seguiu sua jornada a Roma com a simplicidade de um peregrino.

{*Séquito: conjunto das pessoas que acompanham outra(s); cortejo que acompanha uma pessoa, ger. distinta, para servi-la ou honrá-la; comitiva.}
{**Prior: pároco; superior de um convento ou de certas ordens religiosas.}

A impressão produzida foi grande, e toda em favor de Bruno. Nenhuma demonstração sacerdotal ou imperial podia ter tido o mesmo poder sobre o povo. Dizem que milagres acompanharam seu caminho, e por suas orações rios caudalosos se contiveram em seus limites naturais. Ele foi aclamado com aclamações universais como Papa Leão IX. Hildebrando foi imediatamente recompensado por seus serviços. Ele foi elevado à classe de cardeal, e recebeu os ofícios de subdiácono de Roma com outros preferenciais. Desde esse tempo ele era praticamente um papa -- o verdadeiro diretor do papado.

domingo, 4 de junho de 2017

Sumário

Para baixar (até capítulo 17 - Século I ao X - Ano 0 ao 1000 d.C.):
PDF (ideal para impressão)
EPUB (para celular, tablet e e-reader)
MOBI (para leitores Kindle)

 

Sumário:


Prefácio
Capítulo 1 - Verdades Fundamentais
Capítulo 2 - De Pentecostes ao Martírio de Estêvão
Capítulo 3 - De Estêvão ao Apostolado de Paulo
Capítulo 4 - Os Apóstolos e os Pioneiros
Capítulo 5 - As Duas Primeiras Viagens de Paulo
Capítulo 6 - A Terceira Viagem de Paulo
Capítulo 7: Roma e seus Governantes (64 d.C. - 177 d.C.)
Capítulo 8: A História Interna da Igreja (107 d.C. - 245 d.C.)
Capítulo 9: Roma e seus Governantes (180 d.C. - 313 d.C.)
 Capítulo 10: O Período de Pérgamo (313 d.C. - 606 d.C.)
Capítulo 11: Roma e seus Governantes (313 d.C. - 397 d.C.)
Capítulo 12: A História Interna da Igreja (245 - 451 d.C.) 
 Capítulo 13: Roma e a Expansão de Sua Influência (397 - 590 d.C.)
Capitulo 14: Europa (372 d.C. - 814 d.C.)
Capítulo 15: Islamismo - Iconoclastia (569 - 741 d.C.)
Capítulo 16: Europa (653 d.C. - 855 d.C.)
Capítulo 17: Europa (814 d.C. - 1000 d.C.)
Capítulo 18: Europa (1000 d.C. - 1110 d.C.)

Reflexões sobre o Espírito Missionário de Roma

Temos visto, ao traçar a boa obra do evangelho em diferentes países, a atividade, energia e o caráter agressivo da igreja de Roma. E embora houvesse uma terrível quantidade de tradição humana e muitas tolices absurdas misturadas ao "evangelho de Deus", ainda assim o nome de Jesus Cristo era proclamado, e a salvação por meio dEle, embora, infelizmente, não por Ele somente. No entanto, Deus em graça podia usar esse bendito nome e dar os olhos de fé para ver sua preciosidade em meio ao lixo da superstição romana. O evangelho de Cristo pleno e claro tinha se perdido completamente. Não era mais Cristo apenas, mas Cristo e mil outras coisas. Eles eram eloquentes em pregar boas obras, mas, ao mesmo tempo, obscureciam a fé da qual toda a boa obra deveria emanar. "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo"; "Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro"; "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei"; "O que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora". (João 1:29, Isaías 45:22, Mateus 11:28, João 6:37). Textos como esses dão uma ideia de um evangelho que traz almas para o Próprio Cristo, pela fé somente; não a Cristo e aos ritos e cerimônias inumeráveis, antes da alma poder ser salva. Ser convertido ao Próprio Cristo é a melhor de todas as conversões. Descansar sobre a infalível eficácia do sangue de Cristo é salvação certa e segura para a alma, e perfeita paz com Deus.

Havia, sem dúvida, muitos homens bons e sinceros no campo missionário, cujo estado espiritual poderia ter sido muito melhor do que sua posição eclesiástica, e a quem Deus poderia ter usado para ganhar almas preciosas para Si. Mas não pode haver dúvida de que o espírito dos missionários de Roma eram mais de proselitismo para a igreja de Roma do que para a fé e obediência a Cristo. O batismo e a implícita e inquestionável sujeição à autoridade do papa era a exigência feita a todos os convertidos, fossem governadores ou súditos. Não buscava-se a fé em Cristo. A ambição da Sé Romana era abraçar o mundo todo e, no que diz respeito à Europa, toda confissão pública de cristianismo que professasse independência da dominação romana deveria ser imediatamente suprimida, e totalmente destruída.

Exatamente nessa época, um monge de origem humilde, mas do mais extraordinário caráter, apareceu em cena. Nele foram cumpridos todos os sonhos de domínio da mente humana. Até então a missão do papado nunca tinha sido totalmente cumprida. Mas como nunca houve um papa assim até então, e nunca mais houve um assim desde então, devemos esboçar brevemente sua incomparável carreira.

Traços da Linha Prateada da Graça de Deus (Parte 2)

Lanfranco e Anselmo são nomes famosos na história da igreja dessa época, embora não tanto para a graça quanto para a erudição e controvérsia: ambos foram arcebispos da Cantuária. Ambos tinham sido monges e celebrados mestres nessa humilde classe. Mais de quatro mil estudiosos assistiram as preleções de Lanfranco quando era monge em Caen. Anselmo era de  igual reputação na Normandia. Nanfranco, no entanto, tem a nada invejável reputação de confirmar, por sua grande influência e erudição, o dogma da transubstanciação. Nas trevas do século X essa doutrina fez sua primeira aparição autoritativa na igreja. Esse dogma foi atacado por Berengário de Tours, que usou todas as forças de sua mente e todos os recursos ao seu alcance para demonstrar a falta de credibilidade do dogma. Mas Lanfranco o defendia, e tendo a maioria do clero ao seu lado, Berengário foi rejeitado, despojado de todos os seus privilégios e condenado a uma rigorosa seclusão pelo resto de sua vida. O berengarismo tornou-se um termo de reprovação e foi considerado heresia. Assim o misterioso dogma da Presença Real [de Cristo na Eucaristia] foi estabelecido por volta da metade do século XI. Lanfranco morreu em 1089. Guilherme, o Ruivo, apontou Anselmo como seu sucessor. Ele tem a reputação de ser um cristão sincero e muito irrepreensível em sua vida. Ele morreu em 1109, no décimo sexto ano de seu arcebispado, e aos 76 anos de idade. Ambos Lanfranco e Anselmo, como mal precisamos dizer, foram zelosos apoiadores do poder de Roma.

Margaret, rainha da Escócia, foi evidentemente um canal divino da graça de Deus naqueles dias, não obstante o legalismo do papado. Ela era filha de Etelredo e irmã de Edgar, o Atelingo, o último da linhagem de príncipes saxônicos. A agressividade e a profanação dos príncipes normandos, especialmente de Guilherme, o Ruivo, levou Edgar e Margaret a buscar um retiro seguro na Escócia. O rei Malcolm Canmore se casou com a princesa inglesa. As coisas mais maravilhosas são relatadas sobre sua piedade, liberalidade e humildade. Seu caráter era perfeito para lançar um brilho sobre uma época mais pura. Ela teve com Malcolm seis filhos e duas filhas. Três de seus filhos reinaram sucessivamente, e sua filha, Matilda, foi esposa de Henrique I da Inglaterra, e era considerada uma cristã piedosa.

Como a vida e o caráter de Margaret nos darão uma visão melhor do cristianismo romano em um de seus mais brilhantes exemplos do que poderíamos descrever, citaremos algumas passagens reais de sua vida. "A senhora real, que foi honrada com a canonização, embora muito supersticiosa, e de certo modo ostentosa em seus atos de beneficência, possuía, no entanto, muitas eminentes virtudes, e deve ser classificada entre as melhores de nossas rainhas. Ela exerceu ilimitada influência sobre seu bravo, porém iletrado, marido, que, embora incapaz de ler seus livros de devoção, era fervorosamente acostumado a beijá-los. Toda manhã ela preparava comida para nove órfãos, e de joelhos dobrados os servia. Com suas próprias mãos ela servia à mesa a multidões de pessoas indigentes que se reuniam para compartilhar da doação; e à noite, antes de se retirar para a cama, ela dava ainda mais impressionante prova de sua humildade ao lavar os pés de seis deles. Ela estava frequentemente na igreja, prostrada perante o altar, e ali, com soluços e lágrimas e orações prolongadas, ela se oferecia a si mesma como sacrifício ao Senhor. Quando chegava a época da Quaresma, além de recitar ofícios particulares, lia todo o livro dos Salmos duas ou três vezes em um mesmo dia. Antes de participar da missa pública, ela se preparava para a solenidade ouvindo de cinco a seis missas privadas, e quando todo o serviço religioso acabava, ela alimentava 24 dependentes e assim demonstrava sua fé por suas obras. Enquanto esses não estivessem satisfeitos ela não se retirava para sua própria pequena refeição. Mas com todo esse desfile de humildade, havia também uma igual exibição de orgulho. Seu vestido era lindo, seu séquito enorme e sua comida devia ser servida em pratos de ouro e prata, algo inédito na Escócia até seu tempo.

"Afortunada de ter obtido uma boa educação, Santa Margaret gostava particularmente de demonstrar sua erudição e conhecimento das Escrituras. Ele frequentemente discursava com o clero da Escócia sobre questões teológicas e, através de sua influência, a Quaresma passou a ser observada de acordo com a instituição católica. Ele fez um bom serviço à religião e virtude de muitas formas; mas a vida dessa boa rainha foi encurtada pela severidade de seus jejuns, que pouco a pouco minaram sua saúde... Ela estava deitada, desgastada e moribunda, com o crucifixo diante de si, quando seu filho, Edgar, chegou da batalha de Alnwick. 'O que aconteceu com o Rei e com meu Eduardo?', disse a mãe moribunda. O jovem rapaz ficou em silêncio. 'Eu sei de tudo', gritou ela, 'Eu seu de tudo. Pela santa cruz, pela seu afeto de filho, conjuro-te, diga-me a verdade.' 'Seu marido e seu filho, ambos estão mortos', disse o rapaz. Erguendo suas mãos e seus olhos para o céu, ela devotamente disse, 'Louvor e bênção seja para Ti, Deus Todo-Poderoso, que tens prazer em me fazer suportar uma angústia tão amarga na hora de minha partida, e confio que isso seja para me purificar em alguma medida das corrupções dos meus pecados e Tu, Senhor Jesus Cristo, que, através da vontade do Pai, deu vida ao mundo por Tua morte, oh, liberta-me!' Enquanto as palavras ainda estavam em seus lábios, ela suavemente expirou."*

{* A História da Igreja da Escócia, de Cunningham, vol. 1, p. 97; Milner, vol. 2, p. 566; Robertson, vol. 2, p. 441.}

Traços da Linha Prateada da Graça de Deus (Parte 1)

Estêvão, o príncipe mais piedoso da Hungria, foi batizado por Adalberto, bispo de Praga, e começou a reinar no ano 997. Ele foi um apoiador muito zeloso do evangelho, das escolas e da obra missionária. Ele muitas vezes acompanhava os pregadores, e às vezes ele mesmo pregava. Sua piedosa rainha, Gisla, filha de Henrique III, o auxiliava muito. Ele também introduziu muitas reformas sociais, era gentil para com os pobres, e tentou suprimir toda a impiedade ao longo de seus domínios. Ele viveu para ver, sob a bênção de Deus, toda a Hungria tornar-se cristã exteriormente. Ele morreu no ano 1038. Uma mudança de governo trouxe perseguição, e os piedosos obreiros tiveram sua boas obras interrompidas.

Otingar, um bispo da Dinamarca, e Unwan, bispo de Hamburgo, eram sinceros e devotos servos de Cristo, e usados por Ele para a disseminação da verdade. João, um escocês, bispo de Mecklenburgo, batizou um grande número de eslavônios, mas os prussianos resistiram a todas as tentativas de introdução do evangelho entre eles. Boleslau, rei da Polônia, tentou evangelizá-los pela força, mas em vão. Os dezoito missionários, sob um homem chamado Bonifácio, foram trabalhar entre os prussianos por meio do pacífico evangelho, mas foram todos massacrados por aquele povo bárbaro. Eles parecem ter sido a última das nações europeias a se submeterem ao jugo de Cristo. O cristianismo não teve força na Prússia até o século XIII.

O reinado de Olavo [também conhecido como "o Tesoureiro"], que se tornou rei da Suécia próximo ao fim do século X, tendo morrido por volta de 1024, foi famoso pela propagação do evangelho naquele país. O zelo do clero inglês abraçou a oportunidade, e muitos deles saíram a pregar o evangelho na Suécia. Dentre eles estava Sigfrido, arquidiácono de York, que trabalhou por muitos anos entre os suecos. Mas o zelo de Olavo levou-o a usar medidas violentas na disseminação do cristianismo, e excitou um ódio geral contra ele entre os adeptos da antiga religião. Após muitas lutas e muito derramamento de sangue, a religião cristã foi firmemente estabelecida por volta do final do século XI. O número de igrejas na Suécia aumentou para cerca de 11.000.

O progresso do evangelho na Noruega tinha sido lento desde o tempo da missão de Ansgário; mas quando Olavo, filho de Haroldo, tornou-se rei em 1015, determinou-se a continuar a boa obra com grande zelo. Muitos missionários foram convidados da Inglaterra, tendo a sua frente um bispo chamado Grimkil, que elaborou um código de leis eclesiásticas para a Noruega. Mas o rei buscou aplicar o sistema -- tão comum naqueles dias, mas sempre o sistema romano -- de fazer prevalecer o cristianismo por meios tais como a confiscação e punições corporais severas, mesmo até a morte. Assim, ele muitas vezes teve de encontrar resistência armada. Finalmente, uma conferência foi marcada. O rei e seu missionário, Grimkil, se encontraram com o sacerdote pagão em Dalen, em 1025. Conta-se que Olavo passou uma grande parte da noite em oração. O deus Tor, que era representado como superior ao Deus cristão pois podia ser visto, foi trazido ao lugar da conferência. Quando se encontraram de manhã, o rei apontou para o sol nascente como uma testemunha visível de que seu Deus tinha criado aquilo; e, enquanto os pagãos contemplavam seu brilho, um enorme soldado ergueu sua clava e quebrou o ídolo em pedaços. Um enxame de criaturas repugnantes, tendo sido perturbadas, saíram de dentro da estátua e correram para todos os lados, e então os homens de Dalen foram convencidos de quão vã era a velha superstição, e concordaram em serem batizados. Olavo foi, mais tarde, morto em uma guerra civil, mas surgiram rumores de que seu sangue tinha curado uma ferida na mão do guerreiro que o matou; e muitos outros milagres lhe foram atribuídos. Ele foi canonizado, e Santo Olavo foi eleito o patrono da Noruega.

Os triunfos do evangelho foram especialmente visíveis na Dinamarca, próximo ao fim desse século. "Olhem", disse Adão de Brema, que escreveu no ano 1080; "Olhem para essa tão feroz nação dos dinamarqueses; já a um longo tempo estão acostumados a celebrar os louvores de Deus. Olhem para esse povo pirata; eles estão agora contentes com os frutos de seu próprio país. Olhem para essa região horrível, antigamente completamente inacessível por conta da idolatria; eles agora admitem com entusiasmo os pregadores da Palavra". A história representa os dinamarqueses e os ingleses como desfrutadores de uma espécie de cena milenar nessa época, por meio dos efeitos das obras missionárias. Em confiança e caridade mútuas, eles estavam desfrutando juntos das bênçãos do cristianismo. Isto deve ter sido, de fato, maravilhoso e surpreendente para aqueles que tinham conhecido a selvagem barbárie dos dinamarqueses que tinha antigamente desolado as habitações dos ingleses. Estes eram os pacíficos triunfos do evangelho de Cristo. A pregação da cruz, realizada com a energia do Espírito Santo, certamente terá como efeito tais mudanças benditas e salutares nas mais rudes pessoas. O evangelho não apenas emancipa a alma imortal da escravidão e condenação do pecado, como também melhora grandemente a condição do homem nesta vida, e difunde pelo mundo os preceitos da paz, ordem e bom governo. Esses são os efeitos nativos do evangelho, que muitas vezes são prejudicados pela inimizade natural do coração, especialmente por aqueles que têm a espada ao seu lado.

O Aprendizado dos Árabes Importado para a Cristandade

O papa Silvestre II, que ocupava a cadeira de São Pedro quando nasceu a primeira manhã do século XI sobre a Europa, formou o elo entre a sabedoria e erudição dos árabes e a ignorância e credulidade dos romanos. Ele tinha estudado nas escolas muçulmanas na cidade real de Córdova, onde tinha adquirido muito conhecimento útil quanto a esta vida, os quais ele começou a ensinar e praticar em Roma. Mas tal era a sombria superstição do povo em geral que eles atribuíram suas grandes conquistas às artes mágicas, e acreditavam que tais poderes podiam apenas ser possuídos através de um pacto com o maligno. Por eras após o papa Silvestre ele foi lembrado com horror, como se o trono de São Pedro tivesse sido ocupado por um necromante. Mas à medida que o tempo passou e as trevas do século X ficavam cada vez mais para trás, ergueu-se uma raça de homens que eram distintos, não apenas por grandes realizações filosóficas, mas também pelo estudo das Sagradas Escrituras e pela devoção  ao progresso do cristianismo. Pessoas aprendendo a ler e a buscar o significado das palavras, naquele tempo, especialmente em conexão com os escritos sagrados, foram bênçãos para a humanidade. A superioridade do século XI sobre o século X deve ser atribuída principalmente às melhorias e avanços no aprendizado, como um meio nas mãos do Senhor para a bênção do povo.

Mas devemos nos ocupar com mais algumas palavras sobre Silvestre. Seria injusto deixar um homem tão importante e tão bom sob a escura sombra dos preconceitos do povo. Ele é mencionado pela história esclarecida e imparcial como o mais eminente prelado de sua época. Seu nome próprio era Gerbert. "De erudição sem igual, e de piedade irrepreensível, foi Gerbert de Ravena", diz Milman. Ele foi tutor, guia e amigo de Roberto, o filho e sucessor do rei Hugo Capeto, que, por uma grande mas silente revolução, foi levado ao trono da imbecil raça de Carlos Magno no ano 987. O pupilo real parece ter tirado proveito das instruções de Gerbert. Ele subiu ao trono da França por volta do ano 996, e reinou até o ano 1031. Ele foi um grande amigo do aprendizado e da erudição, morreu em lamentos e foi apelidado de "o Sábio". Em 998 Gerbert foi apontado como papa por Oto III, Imperador da Alemanha, quando tomou o nome de Silvestre II. Ele morreu em 22 de maio de 1003.

Postagens populares